Sobre a Cidade

SOBRE A CIDADE

Origens e pioneirismo

Exemplos de índios Xavantes, um dos primeiros povos a habitar o oeste paulista.

A área em que hoje está localizada a região oeste do estado de São Paulo era ocupada, primeiramente, por índios caiuás, xavantes e caingangues e índios da nação guarani. O território era coberto por matas nos terrenos de terra roxa e por campos em outros tipos de solos. Os conflitos pela posse da terra, principalmente mineiros, foram atraídos depois da decadência das minas, deslocando-se e fixando-se na área, para a utilização das manchas de campos, apropriadas às suas atividades de criação. A corrente migratória do estado de Minas Gerais para São Paulo aumentou quando os mineiros passaram a fugir da convocação para as tropas que iriam lutar na Guerra do Paraguai, que estendeu-se de dezembro de 1864 a março de 1870, abrindo caminho para o esse movimento continuasse após o término da guerra.

Em 1893 foi feito um caminho entre a região conhecida como Campos Novos do Paranapanema e o Rio Paraná, para ligar com o estado de Mato Grosso. Ali se fez a expansão das plantações de café, produzido para exportação. Os espigões do Planalto Ocidental Paulista valorizaram-se pelas probabilidades de se plantar café nas novas terras. Esse avanço do café e a consequente ampliação do espaço sob o comando capitalista incentivaram a ocupação da região do Extremo Oeste Paulista e o seu crescimento. Os latifundiários do café das regiões mais antigas se dirigiram para o Oeste Paulista e obtiveram terras com o objetivo de fazer loteamentos, fazendo com que ao lado do latifúndio cafeeiro se estabelecesse na região, no esquema de agricultura de subsistência.

O desenvolvimento de Presidente Prudente também foi ajudado pela ferrovia, sendo que esta foi a principal via de circulação de pessoas e mercadorias. A escolha do sítio urbano está correlatada ao traçado da Estrada de Ferro Sorocabana, que também seguiu a linha dos espigões.

Emancipação política e administrativa

O nome do município homenageia o ex-presidente brasileiro Prudente de Morais.

Com o grande desenvolvimento da atual cidade de Presidente Prudente, o município foi criado em 14 de setembro de 1917, pelo Coronel Francisco de Paula Goulart, a partir da emancipação territorial e administrativa de Conceição de Monte Alegre (atual Paraguaçu Paulista), criado em 1876 após desmembramento de Campos Novos Paulista. Este resultou da emancipação de Santa Cruz do Rio Pardo que ocorreu em 1885. Santa Cruz do Rio Pardo, por sua vez, foi criada em 1872 como resultado do desmembramento de Lençóis Paulista, que havia sido criado em 1865 após emancipação de Botucatu. O município de Botucatu foi criado em 1855, tendo sua origem em Itapetininga, o qual resultou do desmembramento de Sorocaba, em 1770. Em 1661 Sorocaba havia sido criado através do desmembramento de Santana do Parnaíba, sendo que este surgiu em 1625 após desmembramento de São Paulo, fundado em 1554.

Grande parte do território da então Vila Goulart era de loteamentos. Além dos lavradores, apareciam outros mais interessados em comprar lotes, a fim de explorarem o comércio municipal. Com a inauguração do tráfego normal de trens, em 19 de janeiro de 1919, o povoamento foi aumentando tanto na área rural como na urbana. De forma diversa à de Goulart, o Coronel José Soares Marcondes não era dono de terras, mas sim de uma empresa para a venda de terras, a Cia. Marcondes de Colonização, Indústria e Comércio. Obteve opção de venda de vários tratos de terra, sendo um em Montalvão e outro latifúndio fronteiriço à Fazenda Pirapó-Santo Anastácio, separados pela linha férrea.

Quando emancipada, a cidade era composta de apenas um distrito, a Sede, criada pela Lei estadual n.º 1.798, de 28 de novembro de 1921 e instalada a 13 de março de 1923 - que abrange uma área de cerca de 20.000 km. A Comarca, de 4ª. entrância, foi criada pela Lei n.º 1.887, de 8 de dezembro de 1922. Primeiramente possuiu o nome de Vila Goulart, em homenagem a Francisco de Paula Goulart. Porém, anos mais tarde, recebeu sua denominação atual em honra ao ex-presidente brasileiro Prudente de Morais.

Crescimento econômico

Vista da região central da cidade na década de 1930.

Como citado anteriormente, a cultura do café era a atividade econômica mais importante para o novo município, exercida por proprietários, empreiteiros e colonos. Em 1927, era estimado em dez milhões o número de pés de café no município. A primeira metade da década de 1920 caracterizou-se pelo auge da produção cafeeira prudentina. A decadência da produção ocorreu pelo cansaço das terras arenosas da região, pelas geadas que acabavam com as lavouras, pela diminuição da exportação motivada pela alteração da qualidade do café, pela concorrência de outros países e pela crise econômica de 1929. Com a crise do café, a troca pelo algodão foi inevitável, ajudada por condições nacionais e internacionais. O algodão trouxe à região empresas estrangeiras que se instalaram nas cidades do oeste paulista, comercializando e financiando pequenos plantadores, incentivados pelo aumento do consumo nacional e internacional da fibra.

A introdução das culturas do algodão e, mais tarde, do amendoim provocou mudanças na estrutura das relações trabalhistas da área. O algodão foi introduzido em Presidente Prudente no final da década de 1920, porém foi apenas na década seguinte que seu cultivo passou a ser relevante, com um aumento significativo na área plantada, à medida que a cultura do café começava a diminuir. Outros produtos como arroz, milho, feijão e batata se tornaram a base econômica do lavrador que, com sua venda, financiava a lavoura de café, pagava a propriedade e sustentava sua família. O beneficiamento desses produtos era feito nos municípios e núcleos, o que aumentou o número de estabelecimentos e consequentemente o crescimento delas.

Na década de 1940 observou-se que 44,7% das terras aproveitáveis da região eram constituídas de pastagens. O aumento da importância da pecuária na região da Alta Sorocabana se efetivou quando, sobretudo, se deu o desmatamento de áreas que ainda não estavam em exploração. As atividades industriais correlatadas nos primeiros tempos à exploração de madeira, se voltaram para a transformação de matérias-primas, principalmente pela oferecida pela criação de gado bovino. O excedente, não consumido no núcleo era todo enviado para São Paulo por via férrea. No início da década de 1930 havia dezessete estabelecimentos industriais, passando para 138 já em 1940, empregando 655 pessoas. O que se desenvolveu em termos de indústria foi para complementar a economia agrícola, englobando ainda mais sua predominância.

Desenvolvimento social

O crescimento da cidade exigiu a criação do primeiro grupo escolar, hoje Escola Estadual Professor Adolpho Arruda Mello, em 1925; da primeira Casa de Saúde, 1926; a instalação da Paróquia, 1925; e da Inspetoria Distrital de Ensino, 1928, que em 1932 foi transformada em Delegacia de Ensino. Partindo disso, Presidente Prudente, num intervalo de tempo, adquiria um nível de autonomia político-administrativa importante na região, efetivando-se como a maior cidade da região.

Os serviços religiosos prestados pela Igreja Católica foram oficializados com a criação da Paróquia São Sebastião, em 1925, para onde veio o padre José Maria Martinez Sarrion, que exerceu o cargo de pároco até o ano de sua morte, 1951. Os serviços de fornecimento de energia elétrica à cidade iniciaram-se em 1924 pela Companhia Marcondes de Colonização Indústria e Comércio, por meio de uma pequena usina termo-elétrica alimentada por um locomóvel e gerador de 60 kVA, fornecendo energia do anoitecer até as 24 horas.

Tempos modernos

Visão atual da Praça Nove de Julho, no Centro de Prudente.

A extensão de Presidente Prudente era de cerca de 15.600 km² por ocasião de sua fundação e estabelecimento do município, e seus limites atingiam, ao norte, o divisor de águas do Aguapeí-Peixe; ao sul, o rio Paranapanema; a leste os municípios de Campos Novos Paulista (anteriormente denominado Campos Novos do Paranapanema) e Conceição do Monte Alegre e a oeste o rio Paraná. A alteração do quadro territorial-administrativo do município de Presidente Prudente mostra que o município reduziu, cada vez mais, sua extensão territorial, em função dos sucessivos desmembramentos. Em 1960, entretanto, passa a ter a configuração que mantém até a presente data, com área de 562,107 km². Nesse seu processo de expansão territorial, a cidade absorveu progressivamente o meio rural. Esse predominância do espaço rural foi e está sendo substituída pelo urbano, para atender às exigências da expansão urbana, dada pelo aumento das atividades produtivas na cidade (indústria, comércio e serviços) e pelo aumento da demanda habitacional, gerada pela concentração populacional. O limite entre o campo e a cidade deixa de ser visível.

Também o crescimento de Presidente Prudente e cidades próximas, foi criada a Microrregião de Presidente Prudente, reunindo além do município, outros trinta municípios. São alguns deles: Álvares Machado, Caiabu, Emilianópolis, Marabá Paulista, Mirante do Paranapanema, Presidente Epitácio, Presidente Venceslau, Rancharia, Regente Feijó, Sandovalina, Taciba e Teodoro Sampaio. Em 2006 sua população foi estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em cerca de 744 458 habitantes em uma área total de 17.515,798 km². Seu IDH médio era de 0,802 e o PIB per capita médio de R$ 8.919,75 em 2003. Localiza-se na mesorregião homônima.

Presidente Prudente é um município brasileiro no interior do estado de São Paulo. Pertencente à mesorregião e microrregião de mesmo nome, localiza-se a oeste da capital do estado, distando desta cerca de 558km. Ocupa uma área de 562,107 km², sendo que 16,5600 km² estão em perímetro urbano, e sua população foi estimada no ano de 2010 em 207 625 habitantes, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, sendo então o 36º mais populoso de São Paulo e primeiro de sua microrregião. Está a 979 km de Brasília, capital federal.

A sede tem uma temperatura média anual de 21,6°C e na vegetação do município predomina uma formação arbórea esparsa. Em relação à frota automobilística, em 2009 foram contabilizados 103 460 veículos. Com uma taxa de urbanização da ordem de 97,91%, o município contava, em 2009, com 91 estabelecimentos de saúde. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,846, considerando como elevado em relação ao estado.

A cidade de Presidente Prudente foi emancipada de Conceição de Monte Alegre (hoje Paraguaçu Paulista) na década de 1910. A versão de sua etimologia é que o nome seja uma referência ao ex-presidente brasileiro Prudente de Morais (Itu, 4 de outubro de 1841 – Piracicaba, 13 de dezembro de 1902), que foi um advogado e político brasileiro, primeiro governador do estado de São Paulo (1889-1890). Hoje é formada pela cidade de Presidente Prudente além dos distritos de Ameliópolis, Eneida, Floresta do Sul, Montalvão e a Sede, subdivididos ainda em cerca de 220 bairros. Atualmente é um dos principais polos industriais, culturais e de serviços do Oeste de São Paulo, tanto é que passou a ser conhecida como a "Capital do Oeste Paulista". Com a grande crise econômica de 1929, a economia dos municípios brasileiros ligados à cafeicultura sofreu grande abalo e Presidente Prudente passou a ter novas atividades econômicas, como o cultivo do algodão. A industrialização da cidade iniciou-se em meados da década de 1930.

O município conta ainda com uma importante tradição cultural, que vai desde o seu artesanato até o teatro, a música e o esporte. Durante 2010 e 2011 o time de futebol Grêmio Barueri esteve sediado na cidade, sob o nome de Grêmio Prudente, depois sendo relocado para sua cidade natal, Barueri. Existe ainda o Estádio Municipal Eduardo José Farah, o Parque do Povo e o Teatro Municipal Procópio Ferreira. Segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, publicada na revista Você S.A., Presidente Prudente é a 27ª colocada no ranking das cidades mais promissoras para se construir uma carreira profissional.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Presidente_Prudente

20 de janeiro – São Sebastião

14 de setembro – Aniversário de Presidente Prudente

08 de dezembro – Imaculada Conceição